Últimas notícias / releases
  • Enviar
  • Imprimir
  • Favoritos

Data 20/07/2009

Lafarge traz para o Brasil exposição de arquiteto francês Le Corbusier

 

A Lafarge e a Caixa Cultural, em parceria com a Embaixada da França e com a Fundação Le Corbusier, inauguram a exposição "Le Corbusier - Entre dois mundos", com obras produzidas por um dos mais importantes arquitetos do século XX. A mostra ficará em cartaz na Galeria 3 da Caixa Cultural Rio, de 28 de julho a 23 de agosto de 2009, com entrada franca.

 

Com curadoria do arquiteto francês Jacques Sbriglio, a exposição "Le Corbusier - Entre dois mundos" apresenta cerca de 120 obras originais produzidas por Charles-Edouard Jeanneret (ou Le Corbusier, como se tornou mais conhecido) em seus últimos 20 anos de vida (1945-1965). São projetos de arquitetura, desenhos, pinturas, colagens, litografias, esculturas, tapeçarias, maquetes, livros e fotografias pertencentes à fundação que leva seu nome.

 

Seu trabalho na França e em diversos países o tornou um dos grandes expoentes da arquitetura moderna. Uma geração de arquitetos foi influenciada por seus desenhos, por seu carisma e pela força de suas convicções. No Brasil, sua presença se ampliou a partir das viagens de 1929 e 1936, período em que ministrou palestras e participou na discussão e concepção dos projetos do Ministério da Educação e Saúde e da Cidade Universitária, ambos no Rio de Janeiro.

 

Muitos arquitetos brasileiros absorveram conceitos de Le Corbusier como a planta-livre, a liberação dos térreos das edificações, os terraços-jardim e o brise-soleil. Entre eles, estão Lúcio Costa, Oscar Niemeyer e Affonso Eduardo Reydi.


Em seus últimos vinte anos de vida, Le Corbusier produziu o que se convencionou chamar hoje de "obra da maturidade". Foi a partir do fim da Segunda Guerra Mundial que sua produção sofreu significativo impacto com as grandes encomendas públicas e sua consequente consagração em nível internacional. Para Jacques Sbriglio, há uma nítida diferença entre o Le Corbusier pré-guerra e o artista do pós-guerra: "Se os anos antes da guerra, principalmente as décadas de 30/40, confirmam um Le Corbusier teórico, de notoriedade internacional incontestável, os anos do pós-guerra correspondem à revelação de um grande criador. É durante o último período de sua carreira que Le Corbusier criará suas obras-primas mais relevantes: a unidade habitacional de Marselha, a capela de Ronchamp, o convento de Tourette, os edifícios do Capitólio em Chandigarh na Índia...".

 

Por onde passou, Le Corbusier (pseudônimo adotado ao se mudar, aos 29 anos, para Paris) deparou-se com estilos diversos, de épocas diferentes. De todas estas influências, captou aquilo que considerava essencial e atemporal. Para o curador Jacques Sbriglio, as duas vindas de Le Corbusier ao Brasil, em 1929 e em 1936, causaram visível impacto em sua obra: "O antes é o período ‘purista', o das mansões parisienses, e o ‘racionalista', do edifício Clarté ou Molitor. O depois é o período ‘brutalista', com o concreto armado como sua matéria prima e todo um novo vocabulário arquitetural que se implanta, a partir da utilização do brise-soleil (quebra-sol), que se torna para Le Corbusier o ‘sexto ponto da arquitetura moderna', após o pilotis, a planta livre, a fachada livre, a janela em fita e o terraço-jardim".

 

Apesar de não ter participado diretamente da construção de Brasília, a capital federal foi um grande laboratório urbano do pensamento de Le Corbusier, já que lá suas ideias utópicas de construções arquitetônicas contemporâneas aliadas a conceitos sociais tornaram-se realidade. Ele foi um dos primeiros arquitetos a compreender as transformações de um planejamento urbano sistemático e programado. Em sua perspectiva, essa ideia deveria consistir em grandes blocos de apartamentos assentados em pilotis, deixando o terreno fluir debaixo da construção, paisagem mais que típica do Plano Piloto de Brasília.  

 

Serviço

Exposição "Le Corbusier - Entre dois mundos"

Curador: Jacques Sbriglio

Local: CAIXA Cultural Rio - Galeria 3

Av. Almirante Barroso, 25, Centro, Rio de Janeiro

Tels. 21 2544 4080

Abertura para convidados: 27 de julho de 2009, às 19h

Visitação: 28 de julho a 23 de agosto de 2009.

Entrada Franca

Horários: terça a sábado, das 10h às 22h; domingo, das10 h às 21h

Livre para todos os públicos

 

Acesso para portadores de necessidades especiais

Visitas guiadas para escolas com agendamento prévio

  

Sobre a Lafarge

 

O Grupo Lafarge é líder mundial em materiais de construção, com posições de destaque em todas as suas atividades: Cimento, Concreto, Agregados e Gesso. Com 84 mil empregados em 79 países, no Brasil a empresa possui 1,2 mil empregados e unidades industriais nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Pernambuco. Na área de Cimento, a Lafarge conta com fábricas nas cidades de Arcos, Matozinhos, Montes Claros e Santa Luzia, em Minas Gerais, e Cantagalo, no Rio de Janeiro.

 

Em 2009, pelo quinto ano consecutivo, a Lafarge esteve presente na lista das 100 empresas mais sustentáveis do mundo, a Global 100, criada pela Innovest Strategic Value Advisores, em parceria com a revista canadense Corporate Knights. Com o know how de uma indústria líder em materiais de construção, a empresa coloca a inovação no centro de suas prioridades, contribuindo para a  sustentabilidade da construção civil e para o desenvolvimento de projetos arquitetônicos criativos.

 

  

 

 

 Natureza Morta 65 – tapeçaria Le Corbusier

Natureza Morta 65 – tapeçaria Le Corbusier

Ferramentas

Cadastrar:
Favoritos:
  • Enviar
  • Imprimir
  • Favoritos

Pesquisa & Inovação

Uma prioridade da Lafarge

Veja o que a Lafarge tem feito na área de Pesquisa & Inovação no setor de materiais de construção. 

LafargeHolcim. Cement, aggregates, Concrete.